Noticias

Secretaria-geral da OMA apela as mulheres a apostarem na formação

A Secretaria Geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), Luzia Inglês, apelou hoje, domingo, as mulheres a apostarem na formação académica para que possam ultrapassar as barreiras que enfrentam. Em declaração à Angop para saudar o dia da mulher africana que se comemora a 31 de Julho, Luzia Inglês referiu que as mulheres devem esforçar-se para ter uma formação, pois isso vai aumentar os seus conhecimentos e despertar a consciência sobre como resolver as suas necessidade em curto espaço de tempo. “Para ter acesso ao que for preciso no âmbito económico, para resolver o problema da pobreza e para ter consciência sobre a importância de procurar os serviços de saúde atempadamente, a mulher precisa de formação”, afirmou. Luzia Inglês recordou que o índice de mulheres africanas afectada pela VIH/Sida é muito alto, por serem muito pobres. De acordo com a responsável da OMA é preciso fazer maior trabalho de sensibilização, de advocacia, exigindo que os governos tracem programas de maneira a ajudar as mulheres asair desta situação. Uma das formas de ajudar as mulheres a saírem desta situação, prosseguiu a secretaria geral da OMA, é através de programas que reduzam a pobreza, que possam facilitar e permitam que as mulheres tenham acesso a assistência medica, de modo que os problemas que enfrentam na maternidade e no tratamento sobre VIH sejam reduzidos. ” Em relação com os outros países de Africa quanto ao número de infectados, Angola encontra-se numa posição razoável, mas não devemos cruzar os braços pois não estamossatisfeitas com a situação”, reafirmou Luzia Inglês. Para a militante da OMA, as mulheres não devem ter vergonha de procurar os serviços de saúde para saber se são ou não portadoras de VIH, pois esta é uma possibilidade de cuidar da saúde e ter mais tempo de vida. ” As mulheres são as mais afectadas em relação aos homens, por causa da sua característica genética. A mulher afectada compromete a continuidade da vida porque ao nascer um filho sem saúde está a trazer ao mundo um ser especial, dai a necessidade de procurar sempre a assistência médica”, disse Luzia Inglês..

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário