Eu, Tu e os meus sapatos

Saber que se foi feliz não dói

Os candeeiros de mesa estão ligados e as cortinas puxadas numa tentativa vã de iluminar um dia de tempestade.

Ele dorme ao meu lado no sofá depois de uma luta inglória contra o sono ao meu colo. Dou colo. Muito. Todo o que ele quiser e todo o que me apetecer. Aquele que a irmã nunca quis e que sei que mesmo que quisesse já teria deixado de querer. A sopa dele arrefece no balcão e o aroma maravilhoso da pastinaga invade a cozinha. Ao fundo escuto a máquina de loiça a trabalhar. A roupa acabou de ser estendida – varanda bendita. Pelo chão Legos espalhados. Esse terror que ataca os pés das mães durante a noite depois de um dia a definir a ofensiva. Aqui ao lado a caneca de Earl Grey com leite (e açúcar – perdoem-me os puristas) e o livro que se anda a passear há demasiadas semanas entre o sofá e a mesa de cabeceira.

Não são quase nove meses. São quase nove meses duas vezes. Ele colado a mim e eu colada a ele de forma quase ininterrupta. Questionam-me se vai custar? Não sou adivinha mas, contando que já não é a primeira vez, apostaria num … Ver artigo completo no Blog

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário