A Familia

Porque se separam os casais?

sep

sepPorque acaba um casamento? Um dia eles encontraram-se, conheceram-se,  o coração bateu muito forte, fizeram promessas, casaram-se e numa determinada época separam-se  e vai cada um para seu lado.
Para falar de separação é interessante entender porque se casam. Na nossa cultura somos educados para o casamento. E numa determinada idade a sociedade “”empurra” para que  se case, nesse momento você procura a pessoa que melhor encaixa nos seus padrões e preferências e  casa-se.
Geralmente vamos pela aparência, ou seja, o comportamento aparente. Depositamos no outro aquilo que queremos para nós, com o tempo passamos a conhecer a pessoa como realmente ela é, porque a fase do namoro não permite ver os defeitos. Passado essa fase, vem a rotina do dia a dia, começam a surgir os problemas, acontece a intolerância e a não aceitação dos defeitos um do outro.
A confiança no outro é um factor a ser considerado; enquanto ser humano somos tomados de um sentimento de posse em relação aquilo que achamos que é nosso, dizemos: “meu filho”, “meu marido”, “minha esposa”, e com isso queremos que essas pessoas se comportem exactamente como nós esperamos, só que elas têm personalidade própria, são outros seres humanos.
Temos uma expectativa muito grande em relação ao comportamento do outro. A individualidade deve ser preservada, podemos nos considerar “uma só carne” após o casamento, porém com personalidade própria e ímpar.
A individualidade deve ser preservada em cada detalhe. A sua hora de banho, de dormir, de comer e até o momento em que deseja ficar a sós consigo mesmo. Muitas vezes fazemos coisas que não queremos somente para agradar ao outro, mas essa prática constante tende a saturar o relacionamento, você deixa de ser autêntico e passa a viver em função do outro.
Muitas vezes o dormir em camas ou quartos separados passa a ser uma necessidade, se um ressona e o outro não, um gosta de ar condicionado e o outro não… detalhes que passam despercebidos mas que com o tempo vão acumulando e acabam por acabar em  discussões  intensas por motivos que são desconhecidos do casal, só sabem que discutem.
As limitações da individualidade estão presentes no simples acto de impedir que o marido pratique o seu desporto  preferido ou que a esposa visite as amigas ou vá passear no centro comercial. As proibições contribuem para a perda da individualidade.
A relação deve ser ponderada, usando o bom senso para não expor o outro a situações constrangedoras, deve-se sair com os amigos, conhecer novas pessoas, estudar, trabalhar, para quando estiverem juntos terem o que trocar um com outro além de lamentações da vida quotidiana.
A vida sexual temum  factor decisivo na estabilidade do casal, principalmente se na fase do namoro o comportamento era diferente do apresentado após o casamento. No namoro há uma tendência da actividade sexual ser mais quente e constante e com a vida conjugal isso tende a esfriar.
A mulher fica constrangida, muitas vezes acredita que deve ter uma postura mais séria, engorda um pouco e  inibe-se frente ao parceiro.
O homem por sua vez perde parte de seu romantismo, deixando de lado o jogo da conquista, descuida-se com a  barba por fazer, da limpeza do carro para o passeio de fim de semana, como se não precisasse mais  de conquistar a mulher.
Com o nascimento dos filhos a tendência é a situação  agravar-se , a mulher torna-se mãe e  as suas atribuições no casamento aumentam, mas a frequência não é tudo, não podemos perder de vista a qualidade.
A emancipação feminina tem  o seu papel na separação.
Historicamente a mulher saía da casa dos pais directo para o casamento, inclusive na separação, ela era “devolvida” para os pais. Hoje a mulher já mora sozinha mesmo antes do casamento e tem a  sua independência financeira.
Para alguns homens a mulher ser bem sucedida pode incomodar, pois ele não será mais o dono da situação, ele perde o controle, como se isto fosse necessário. O homem não está preparado para ser sustentado por uma mulher, causando um sentimento de impotência.
Poderíamos seguir páginas e páginas descrevendo situações que contribuem para o fim de um relacionamento conjugal, o objectivo foi apenas elucidar as causas mais comuns. 

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário