Casamento

Dicas para um ter bom casamento.

images 11

images 11

O casamento deve ser uma sociedade equalitária em que ambas as partes podem crescer, mas normalmente não é assim – ou, pelo menos, nem sempre. Desde pequenina a Mulher sonha com o princípe encantado, que em muitos caso vira um sapo!

Todos os casamentos têm os seus obstáculos, mas reconhecer os sinais de perigo, bem como a dinâmica que, de facto, vos juntou pode ser proveitoso e permitir uma viragem que encaminhe o vosso casamento pela vida fora.

Você é uma companheira FILHO-FILHO, PAI-FILHO ou IRMÃO-IRMÃ?

De acordo com os psicólogos, existem três tipos diferentes de casamento. Apesar destas categorias poderem parecer limitativas, podem mostrar bastante acerca de como o seu casamento funciona.

No modelo filho-filho, ambas as partes brincam aos casamentos e nenhum deles amadureceu o suficiente para lidar com os aspectos mais difíceis do casamento. Esta união é normalmente divertida e animada, mas volátil. Se conseguirem crescer juntos e tiverem dinheiro suficiente para gozarem a vida, este tipo de casamento pode até vir a durar.

No pai-filho, um dos parceiros é o pai controlador e o outro obedece. Isto pode resultar bem, durante algum tempo, especialmente se houver uma diferença de idades, mas os problemas começam, inevitavelmente, quando a criança quer crescer.

A relação irmão-irmã é próxima e reconfortante. As pessoas têm tendência para gostar de alguém como elas e isso é vital aqui. Normalmente, partilham sistemas de valores e referências semelhantes. Infelizmente, o elemento erótico já de si fraco, pode deixar de existir. Como juntos têm um nível de conforto elevado, pode durar se sobreviver aos casos extra conjugais.

12 Dicas para um BOM CASAMENTO

Cuidado com o que diz – pode ser contradito. Cuidado com palavras como Tu devias…’, ‘Tu não…’ ou Tu nunca…’ Substitua por estruturas frásicas como ‘Eu adoraria se tu…

Comunique, não critique. Não o confronte, aborde os problemas com calma e gentileza. Depois de uma pergunta, faça uma pausa para lhe dar tempo para responder, sem o fazer por ele. Se for necessário, não diga nada até ele responder, independentemente dos minutos que passarem.
Não remexa em coisas antigas. Lembre-se dos gatilhos que cada um de vocês tem e que transformam imediatamente uma conversa numa discussão. As mágoas antigas estão sempre sob a superfície – resista a trazê-las de volta a novas conversas.

Resolvam os problemas de dinheiro. As finanças são o foco número um para discussões, por isso mantenha-as sob controlo. Decidam em conjunto como e quando é que vão gastar dinheiro e a vossa relação ai estar em sintonia e não vai estar desalinhada. 

Aceite a influência do seu companheiro. Em vez de sentir que está a ‘ceder’ ou a ‘ser dominada’ para fazer o que o seu companheiro quer, aceite que são um casal e que têm pesos iguais. As pesquisas mostram que as mulheres já estão treinadas para cederem às necessidades dos maridos, mas só terá uma parceria verdadeira se ele também o fizer.

Acabe e arranje as discussões. Arranje uma forma de sair das discussões com humor, elogios ou sinais de apreço. Se nada resultar, concorde em fazer uma pausa em silêncio para se acalmar.

Não espere que ele lhe leia a mente: só porque é casada com ele isso não significa que ele saiba o que você quer e quando. Os homens têm tendência para pensar que, se ela quer que eu saiba, diz-me, ao passo que as mulheres pensam, se ele me ama, vai fazê-lo sem eu pedir. Estão a ver o problema.

Seja optimista. Os casamentos mais felizes são aqueles em que ambos têm perspectivas positivas, por isso façam com que isso se reflicta nas palavras que usam com o outro. Tentem aplicá-lo a quaisquer pensamentos negativos que possam ter.

Baixe a sua tolerância a comentários  que magoam. Se estipular um nível de comportamento elevado, desde o início da relação – mesmo que seja por pura amabilidade – haverá menos tendência a ter comportamentos ou atitudes pobres um com o outro.

Fiquem na mesma equipa. Isto é importante quando se tem filhos, já que eles precisam de ver que estão juntos nos assuntos que são importantes para eles. Também é benéfico se eles vos virem discutir e resolver o problema – vai ajudá-los a aprender as mesmas competências.

Como um casal. Quanto mais estiverem juntos, melhor funcionará a vossa parceria. Isto não quer dizer que tem de desistir de ir fazer escalada se o seu companheiro detestar, mas esteja atenta a quantas coisas fazem separados ou ao tempo que não passam na companhia um do outro.

A confiança é a base de um bom casamento 

Isto não pode ser desleixado. Quando a confiança é quebrada, deixamos de sentir-nos seguros.

Se houver alguma coisa que sente que não pode contar ao seu companheiro, pense bem no porquê – quais são os seus medos e o que é que revelam sobre o seu relacionamento?

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário