Saúde & Beleza

Cremes, peelings e laser apagam estrias

laser

Predisposição genética, ganho de peso, gravidez, crescimento muito rápido, musculação em excesso e uso de corticóides. Qualquer um desses fatores causa estrias, que surgem quando as fibras elásticas de sustentação da camada intermediária da pele se rompem. A boa notícia e que há várias opções de tratamentos, que podem ou não serem associados, melhorando muito o aspecto da pele. O tema foi escolhido pelos leitores para a coluna desta semana e a médica Marcia Linhares, coordenadora de laser da Sociedade Dermatologia do Rio e do painel de procedimentos corporais, faciais e celulite do 65 Congresso da SBD, que começou ontem no Riocentro, diz como se livrar dessas marcas.

O GLOBO: O que são estrias? E as causas?

MARCIA LINHARES: São alterações da pele, discretamente enrugadas, que surgem devido ao rompimento das fibras elásticas na derme, e mais frequentes na adolescência e na gravidez (geralmente no último trimestre). Inicialmente são avermelhadas ou violáceas, e nesta fase podem ser levemente elevadas por causa da inflamação, que às vezes coça. Com o tempo, ficam esbranquiçadas. Na mulher as estrias são mais comuns nas nádegas, no abdômen e nas mamas. Nos homens, atingem o dorso, a região lombossacra e as coxas. Mas podem aparecer nas axilas, membros superiores e tórax. Além da predisposição individual, aparecem em doenças, como a síndrome de Cushing e do fígado. O abuso de medicamentos corticóides tópicos também é uma causa, principalmente em áreas de dobras, assim como a obesidade, a musculação em excesso e até tatuagens.

O GLOBO:Como prevenir?

MARCIA: Mantenha uma boa hidratação da pele, pois a boa elasticidade depende disso. Uma dica é usar loções ou cremes à base de PCA-NA a 2%, ureia a 10%, colágeno 5% a 10% reticulina, germe de trigo, óleo de prímula, óleo de amêndoa doce entre outros, receitados por dermatologista. E evite o ganho excessivo de peso.

O GLOBO:Quais são os tratamentos?

MARCIA: Depende se as estrias são recentes e avermelhadas ou antigas e esbranquiçadas. A tretinoína tópica (o ácido retinoico), os peelings químicos e o Dye-laser são mais indicados nas recentes, enquanto a divulsão transdérmica, a microdermoabrasão e o laser fracionado funcionam melhor nas antigas. A tretinoína é aplicada à noite na concentração de 0,05% a 0,1% em creme para estimular a produção de colágeno, melhorando o aspecto da pele, porém é contra-indicado em grávidas. Os peelings químicos com ácido retinoico e/ou tricloroacético são aplicados em diferentes concentrações e fazem quimioesfoliações repetidas resultando numa melhora da textura e da cor da pele. São realizados com intervalos mensais, de 4 a 6 sessões. O Dye-laser emite uma luz absorvida por pigmentos das estrias avermelhadas, estimulando a produção de colágeno e a restauração da coloração normal da pele. O tratamento é feito a cada 8 semanas e, em média, 3 a 4 sessões são necessárias, sendo um pouco doloroso. A divulsão transdérmica é com anestesia local e consiste no descolamento da estria na altura da derme, em movimento lateral e de vaivém, causando trauma no tecido. Isto provoca sangramento e coagulação, produzindo colágeno no local. Então se nota um melhor resultado em estrias antigas isoladas. A dermoabrasão superficial é feita com um dermoabrasor com pontas de diamantes ou similar, que em movimento de vaivém destrói a camada epidérmica fazendo a restauração da área tratada. É segura, sendo necessário de 5 a 10 sessões com intervalos de 3 a 4 semanas, e se deve evitar a exposição solar na área durante o tratamento. O laser fracionado tem ótima indicação nas estrias antigas e emite um potente feixe de luz em forma de chuveiro ou milhares de pixels. Eles penetram na derme estimulando a produção de colágeno em diversas microcolunas de tecido novo que vão se unindo, proporcionando melhor coloração e firmeza. A aplicação é realizada com anestesia local em creme e causa pouco desconforto. São necessárias de 4 a 8 sessões, sendo um método seguro e eficaz. Todos os procedimentos citados podem ser feitos em qualquer área de estrias e serem associados, de acordo com avaliação.

Texto enviado por Celina Campo.

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário