Eu, Tu e os meus sapatos

Correr para emagrecer. Ou correr para viver. Mais. E melhor.

Bem sei que desse lado quem anseia por sapatos, disparates e cenas do dia-a-dia, andará saturado de tanta corrida e treino e equipamentos e motivações. Afinal não é só este canto que esta temática tem vindo a invadir. De mansinho, sim. Mas ainda assim uma invasão.

Escrevi e divaguei muito sobre isto do movimento mais saudável e da corrida em particular. Mas não é nada – mesmo, quando comparado com o que falo sobre isso fora daqui. E, é ainda menos comparável com tudo o que ganhei. O que ganhámos.

Até ontem dizia que correr uma maratona era para loucos. Que, mais do que estar física, psicológica e emocionalmente preparado, era preciso querer. E o que é que poderia levar um comum mortal a querer correr durante 3h, 4h ou 5h seguidas? A loucura, claro. Ontem, assistindo à catarse destes (aqueles a quem não chamei loucos pessoalmente), tive a minha própria catarse. E percebi que não há aqui nada de loucura. É que o catano da loucura tem-me trazido tanto mas tanto, que não pode ser loucura. Pessoas, companheiros, amigos. Não é loucura. É qualquer coisa de extraordinário.

Ontem estes amigos correram a maratona. Estreantes e repetentes. E eu, ainda com a cabeça … Ver artigo completo no Blog

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário