Saúde & Beleza

Cancro do Colo do Útero

cancro

cancro

Todos os anos vai à ginecologista para fazer um teste de Papanicolau?

Ela abre a vagina, examina o útero, toca nos ovários, retira algumas células e envia-as para um laboratório para serem analisadas. Se receber a factura do laboratório algumas semanas mais tarde, sabe que não tem problemas.

Mas, se receber um telefonema do consultório da sua  ginecologista, é provável que o teste do Papanicolau tenha assinalado alterações celulares que podem indicar ou levar a um cancro do colo do útero.

As mortes por cancro do colo do útero baixaram 68% nos últimos 30 anos, sobretudo porque essas alterações têm sido detectadas numa fase inicial e a radiação ou cirurgia têm impedido que se desenvolva um cancro.

«O teste de Papanicolau é eficaz», afirmam os epecialistas.

O cancro do colo do útero não surge repentinamente. As alterações celulares que caracterizam o seu desenvolvimento, podem evoluir ao longo de um período de 10 a 15 anos.

No princípio está a displasia, um estado em que as novas células do colo do útero começam a desenvolver-se com forma e tamanhos estranhos, ao contrário das células saudáveis, com formas mais simétricas. Também começam a aparecer como se tivessem sido colocadas ao acaso, em vez de ficarem alinhadas em filas muito estruturadas, típicas de um colo do útero saudável.

Nem todas as mulheres com células displásicas desenvolverão cancro do colo do útero. Mas, uma vez que essas alterações celulares são nitidamente o primeiro passo nessa direcção, a displasia é chamada neoplasia ntraepitelial cervical (NIC), um estado pré-canceroso.

Se o crescimento anormal das células continuar, a displasia irá afectar as células cancerosas que revestem o colo em cerca de quatro anos. É mais ou menos nesta fase que os sintomas como sangramento entre os períodos depois do duche ou depois de relações sexuais podem surgir.

Se o cancro não for detectado e tratado, aumentará e transformar-se-á em cancro do colo do útero evasivo.

90% das mulheres que são tratadas com cirurgia ou radiação enquanto o cancro se circunscreve do colo do útero estarão vivas cinco anos após o diagnóstico. 67% das mulheres que são tratadas com cancro que alastrou para além do colo do útero ao tecido circundante também estarão vivas. Mas apenas 15% daquelas cujo cancro se propagou à bexiga e ao recto sobreviverão.

Como pode a Mulher, travar o cancro do colo?

Talvez graças ao longo período de incubação de que a maioria das células do colo do útero necessita, as mudanças das células pré-cancerosas são detectadas no colo das mulheres com maior frequência entre os 25 e os 35 anos, enquanto que o cancro é detectado com maior frequência entre os 35 e os 65 anos.

Ainda continua a ser um mistério a origem dessas alterações que provocam verrugas genitais, ou HIV, que provoca SIDA, para além de outras actividades como fumar, manter uma dieta pobre e ter parceiros sexuais múltiplos podem colocar qualquer mulher em risco de cancro do colo do útero, afirma a Dr.- Baker.

«Temos apenas uma ideia vaga daquilo que está a acontecer a nível molecular», acrescenta. Desconhece-se como qualquer um desses factores de risco provoca efectivamente alterações. Os cientistas supõem que ou atacam os genes que ordenam à célula que se multiplique ou anulam o genes supressores de tumores da célula, que normalmente refreia qualquer crescimento anormal. Ou podem fazer ambas as coisas.

Mas, embora médicos e cientistas não saibam ao certo como esses factores de risco põem efectivamente a mulher em situação de perigo, têm sugestões para prevenir o cancro.

PODE CONFIAR NUM TESTE DE PAPANICOLAU?

No que diz respeito ao desenvolvimento deste tipo de cancro, na realidade não tem alternativas, O Papanicolau é o único teste que revelará o estado do seu colo. Mas não quer dizer que seja infalível. Existe uma elevada taxa de falsos negativos.

Diversos estudos indicam que cerca de 10% dos testes de Papanicolau são incorrectamente interpretados — em primeiro lugar, porque ler os testes de Papanicolau é tão enfadonho que os técnicos de laboratório falham. Infelizmente, aproximadamente 20% dessas leituras incorrectas induzem erradamente a mulher a crer que é saudável quando, na realidade, tem sintomas de cancro.

Pode facilitar a leitura de um teste de Papanicolau aos técnicos se verificar se amostra de células é tão clara quanto possível, afirma a Dr.8 Vicki Baker, director da divisão de Oncologia Ginecológica na University of Michigan Medicai Center em Ann Arbor.

Evite os duches e cremes ou gel contraceptivos três dias antes do teste. Evite relações sexuais na véspera do teste. Marque um teste de Papanicolau antes ou depois do período e não durante.

FAÇA UM TESTE DE PAPANICOLAU. «A única coisa mais importante para a mulher fazer é submeter-se a um teste de Papanicolau anual.

Tirando os casos de mulheres que têm infecções por papilomavírus  ou qualquer outra doença que exija uma verificação mais minuciosa, a maioria dos ginecologistas gosta de recomendar um exame anual, acrescenta.

NÃO FUME. «O fumo do cigarro é um factor importante», declara a Dr.a Baker, «—a décadas que se tem reconhecido que as mulheres que fumam correm maior perigo de cancro do colo do útero. Mas apenas recentemente se reconheceu que o possível mecanismo para isto é que as substâncias  no fumo do cigarro, por um mecanismo desconhecido, se concentram  no muco uterino. São aproximadamente 10 a 15 vezes mais  do que os níveis encontrados no sangue ao mesmo tempo.» Por sso aquilo que faz quando fuma é inundar o colo do útero com químicos cancerígenos.

SEJA SEXUALMENTE CUIDADOSA. Estudos indicam que quantos mais parceiros sexuais a mulher tiver, mais probabilidades tem de contrair cancro do colo do útero.

Mas os estudos também indicam que quantos mais parceiros sexuais o companheiro tiver, mais probabilidades tem de contrair este cancro. Um estudo em mais de 300 mulheres na índia, por exemplo, verificou que as mulheres cujos maridos tinham outras relações sexuais antes e durante o casamento corriam sete vezes mais risco de cancro do colo do útero, em comparação com as mulheres cujos maridos não as tinham.

FAÇA UMA DIETA EQUILIBRADA. «A dieta pode desempenhar um papel ‘a prevenção do cancro», afirma a Dr.ã Baker. «As mulheres que têm falta :e ácido fólico e talvez de vitamina A podem correr algum perigo.»

Quais as melhores fontes de ácido fólico? Feijão-frade, feijões, lentilhas, espinafres, gérmen de trigo e espargos. Também pode obter ácido fólico tomando diariamente um suplemento vitamínico.

Siga-nos,  Gostou do nosso artigo partilhe com as suas amigas…

Facebook Page: 100000500028940Twitter: portalamulherExternal Link: feeds.feedburner.com/feedsamulher

Subscreva a Newsletter e saiba todas as novidades

comente

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário