Eu, Tu e os meus sapatos

Beleza e Inteligência

Não gosto de estereótipos. Ninguém gosta, creio. Mas é efectivamente um exercício diário e um tudo nada complicado este de evitar cair em estereótipos.

Este texto está cheio deles. Dos que (me) incomodam. Lamentavelmente, também daqueles em que eu própria caio. Não fosse eu humana.

A beleza – não considerando padrões, opiniões, modas ou gostos pessoais, assume-se como uma caraterística intrínseca e não valorizada… Porque os belos nada fizeram para o ser. A inteligência – e entenda-se neste texto que me refiro exclusivamente à inteligência lógica (mais um estereótipo), assume-se como uma caraterística adquirida… Porque os inteligentes são esforçados, trabalhadores, “são inteligentes”. Esperem, vou complicar, idem para inteligência emocional inter e intra pessoal – na qual me considero exímia. É meu, é de mim. Não trabalhei (ou trabalho uma bocadinho), não me ensinaram (ou sim e a minha mãe até contribuiu em qualquer coisa). Mas sim, nasceu comigo. Não sou a maior porque sou capaz de influenciar sem manipular. Nasceu comigo.

Bem, beleza e inteligência (lógica).

Isto. Estereótipo.

Beleza e inteligência são características intrínsecas herdadas geneticamente e sobre as quais os seus detentores nada fizeram por elas. Lotaria.

Então para quê o desmerecimento de uma recorrendo a essa falsa justificação como se a inteligência fosse resultado … Ver artigo completo no Blog

Sobre o Autor

aMulher

aMulher

A equipa de aMulher.com

Deixe o Seu Comentário